O dia que eu assumi para minha mãe

“Se é isto mesmo que deseja siga em frente. Peço apenas para não ser mais um. Seja o melhor que puder ser para você e para os outros. Com certeza não foi este o futuro que eu sonhei para um filho meu, mas vou aprender a amar você mesmo assim”

 

 

O dia que eu assumi para minha mãe

Era uma manhã de domingo. Meus irmãos tinham ido andar de skate. Meu pai já estava no bar aguardando o jogo do Flamengo. Jogo este que só começaria as 17h. Na sala imensa e silenciosa restavam apenas eu, minha mãe e Celso Portiolli, que por mais que tentasse não conseguia deixar meu domingo legal. Uma angústia me consumia. Eu tinha que aproveitar aquele momento para revelar a minha mãe algo que guardava em segredo dentro de mim. Algo que ela não gostaria de ouvir, mas eu precisava de sua benção para viver em paz o meu destino. Aproveitei o intervalo comercial e toquei sua mão. Ela olhou para mim surpresa. Neste momento comecei a conversa que mudaria definitivamente minha vida.

_ Mãe…

_ O que foi, heim? Quando você fala é assim é para pedir alguma coisa.

_ Sim, mãe. É para pedir.

_ Fala. Quanto você está precisando?

_ Não. Não é dinheiro.

_ Então é o que?

_ É a sua benção.

_ Que mané benção, menino?

_ Mãe, eu preciso te contar uma coisa.

_ Ai, ai, heim?

_ Sério mãe. Preciso te falar algo sobre mim que ainda não sabe.

_ Já tô preocupada. Desembucha menino!

_ É que eu preciso que a senhora aceite minha opção. Ela certamente não é o que a senhora pensou para mim. Mas é a única forma que serei feliz.

_ Que mané opção? Fala logo infeliz!

_ Mãe, eu vou precisar muito do seu apoio. Talvez todo mundo nesta casa passe a me tratar diferente depois que eu assumir. A senhora é minha única esperança.

_ Fala logo. Já tá me dando um troço.

_ Então mãe…

_ Fala!!!

_ Mãe, eu quero ser professor.

_ Você tem certeza? É isso mesmo que você quer para sua vida? Ser vítima de preconceito e violência? Você sabe que as pessoas não respeitam quem faz esta opção.

_ Mãe, nem sei se é opção. Eu nasci assim. Meu desejo sempre foi ajudar as pessoas a serem melhores. Eu não sei estar no mundo de outra maneira.

_ Se é isto mesmo que deseja siga em frente. Peço apenas para não ser mais um. Seja o melhor que puder ser para você e para os outros. Com certeza não foi este o futuro que eu sonhei para um filho meu, mas vou aprender a amar você mesmo assim. Meu sonho era ter um filho advogado, engenheiro ou médico. Vou ter que aprender a conviver com sua opção. Sinceramente não sei o que eu vou dizer para minhas amigas quando elas perguntarem sobre a opção do meu filho…

_ Diga apenas que seu filho é um operário. Um operário na oficina do amanhã.

Share
Fábio Flores
Sobre o autor

Fabio Flores é Pedagogo, Geógrafo, Especialista em Formação Docente, Humorista, Apresentador do programa Triálogo (Imagem TV/RCA), Comentarista e Redator do Programa Bom de Papo (TV Tribuna/SBT).

Share on
1 Comments
  • The Everton defender was sent-off in the 40th minute for the lunge on the midfielder during the 2-2 draw at Molineux on Saturday. Jagielka posted on Instagram to give his thoughts. Everton defender Phil Jagielka claims he DID get the ball with ‘honest, strong tackle’ on Diogo Jota after being shown straight red draw with Wolves

Leave a reply