Não incentive seu filho a se tornar artista

Se algum dia seu filho disser que quando crescer quer ser artista, tente o quanto puder demovê-lo desta ideia. Ser artista é tudo aquilo que um pai não deseja a um filho. Artista não tem décimo terceiro, ticket alimentação nem tampouco estabilidade. Artista lida com a constante navalha da avaliação de público e contratantes. Muito mais que aplausos o artista lida com a ansiedade.

Optar pela miragem do que seria o universo artístico é um sonho para qualquer ser humano um pouco mais exibido. No entanto, quase sempre o fazer do artista é visto pela lente de um glamour que não corresponde ao cotidiano deste ofício. O palco é a ponta do iceberg, mas antes dele existe muito trabalho solitário repleto de nãos sem flashs nem aplausos.

O mercado de trabalho dos artistas de maneira geral possui um funil muito mais excludente que o de carreiras jurídicas ou médicas. Para cada artista que você vê na TV centenas de milhares ficaram no caminho da tentativa e erro. Nas carreiras tradicionais o concurso público seleciona de forma cartesiana os mais aptos, mas com a arte não é assim.

Na arte é um conjunto não lógico de fatores. Estar no lugar certo, na hora certa, com a pessoa certa (e algumas erradas) ajuda, mas não garante o acesso nem tampouco a permanência num lugar chamado sucesso. Quantas pessoas você conheceu ao longo da vida donas de enorme carisma e talento que não conseguiram lugar ao sol? Este é o mercado da arte…

Reportagens que mostram a realidade do “Retiro dos Artistas” são bons choques de realidade que todo filho que deseja ingressar neste mercado deveria ver. Esta casa que oferece aos órfãos da fama um último abrigo dimensiona exatamente o caráter efêmero da luz artificial dos holofotes.

O mais dolorido é que pais que não tiveram a coragem de abraçar a arte profissionalmente tentam empurrar os filhos para o caminho que os intimidou. Considero irresponsáveis os pais que incentivam os filhos a se tornarem artistas (sem avaliar criteriosamente os meandros desta realidade).

Se o seu filho disser que deseja ser um artista profissional converse com ele seriamente. Apresente todos os desafios que ornam o caminho desta profissão. Fale sobre a possibilidade de ter a arte como uma segunda opção profissional ou até mesmo como um hobbie que alimente seu ócio criativo.

Se ainda assim ele se mostrar interessado a seguir neste caminho deixe-o andar e tropeçar sozinho os primeiros passos desta longa caminhada. Se depois dos tropeços ele ainda insistir nesta estrada, aí sim o incentive e apoie.

Um artista que não sabe lidar com a frustração é um sério candidato ao suicídio tradicional ou ao suicídio homeopático (aquele em que por meio de drogas lícitas ou ilícitas a pessoa se mata um pouco a cada dia).

A arte foi uma das melhores opções que fiz na vida e também uma das mais ousadas. A opção pela arte precisa ser consciente e feita por fãs da arte e não fãs da fama. O verdadeiro sucesso (em qualquer área) se dá quando você vê em seu lugar de trabalho um lugar para ser feliz e não um lugar para tentar ganhar dinheiro.

WhatsAppFacebookTwitterGoogle+LinkedInEmailGoogle GmailYahoo BookmarksOutlook.com
Fábio Flores
Sobre o autor

Fabio Flores é Pedagogo, Geógrafo, Especialista em Formação Docente, Humorista, Apresentador do programa Triálogo (Imagem TV/RCA), Comentarista e Redator do Programa Bom de Papo (TV Tribuna/SBT).

Share on