A esperança é um risco que devemos correr

No ano passado, depois de ouvir um motorista, durante a corrida de táxi, me relatando todas as más notícias do mês, decidi fazer algo a respeito. Não estava mais suportando escutar, calada, as mazelas da sociedade e observar o prazer que alguns sentem em falar sobre o assunto. Então, minha ação foi muito simples e tem me feito muito bem:

Procuro quase que diariamente boas notícias e as divulgo num grupo no Facebook chamado “Eu quero um mundo melhor agora!”

Aproveitando que estamos a caminho do início de um novo ano, o que simbolicamente nos causa uma grande vontade de agir diferente, sugiro que tenhamos a intenção e a PRÁTICA de não poluirmos nossas mentes e as nossas conversas com ações negativas.

Noticiar tragédias pode virar um vício. Passe a prestar a atenção se você se sente animado ao ver e contar ações violentas e assuntos afins. Não estou fazendo aqui apologia à alienação, não é nada disso. Alienados estamos, hoje, da quantidade de coisas interessantes acontecendo por aí, na nossa rua, no nosso bairro, mas nem tomamos conhecimento. Acredito que poderíamos harmonizar mais os nossos sentimentos e as nossas casas cultivando o hábito de ler, ouvir e contar boas histórias. Já estaríamos fazendo a diferença. A medicina tem inúmeras comprovações de que as emoções afetam a saúde. Então, para que aumentar nossos dia a dia com mais ansiedade e medo?

Tenho lido e compartilhado diversas experiências de gente que fala e realmente faz. Há muitas crianças e jovens com ideias e comportamentos geniais, atitudes inspiradoras, exemplos de superação. Pessoas idosas aprendendo coisas novas e dando exemplos de dignidade. Não é preciso fazer algo grandioso para virar uma boa notícia. Fico impressionada de como atitudes tão simples, como plantar uma única árvore, podem fazer uma grande diferença. Pensem nisso!

DESEJO A TODOS MUITA PAZ EM 2015!

Para participar do grupo “eu quero um mundo melhor agora” clique no link: https://www.facebook.com/groups/101370220070551/

WhatsAppFacebookTwitterGoogle+LinkedInEmailGoogle GmailYahoo BookmarksOutlook.com
Odete Loureiro
Sobre o autor

ODETE MARIA LOUREIRO RIBEIRO é Assistente Social e trabalha atualmente no Poder Judiciário (RJ), lidando diretamente com questões relacionadas a crianças em situação de risco e pais candidatos a adoção. A Odete cursou Especialização e Mestrado Profissional em Gerontologia na Espanha (Universidade de Salamanca), é autora do livro “Adoção", pratica yoga, meditação, é vegetariana e adora uma boa foto.

Share on